Homenagem à Margha Bloes | ‘A vida em arte’ por Lilian Tavernaro

Escrito por Lilian Tavernaro para a Revista Top da Cidade edição 37

“O melhor presente não é aquele que vem embrulhado num pacote, mas sim aquele que nos deixa marca profunda no coração”, essa frase resume o sentimento que ficou depois dessa jornada, nos olhos de cada um era possível perceber tal emoção. Margha Bloes, o presente não foi só para o público, foi para cada um de nós, principalmente! Que poder é esse, que magia, que dom é esse de reunir um grupo de pessoas em nome de um sonho, e quando muitos não acreditam, o teatro se faz, as palavras se transformam numa linda história e o altar sagrado se transforma em palco sagrado, o palco do teatro! 

Homenagem à Margha Bloes
Foto: reprodução/Zezinho

Determinada, persistente, perseverante, destemida, convicta, sensível…são inúmeros os adjetivos para essa pequena grande mulher, que com uma garra invejável, e que apesar de muitas pedras no caminho, constrói um espetáculo inesquecível. O mais admirável em você é essa crença, essa visão de que é possível, essa força, essa fé, é uma lição de vida, de acreditar, e seguir enfrentando qualquer obstáculo!

Simplesmente Francisco, foi uma experiência impar na vida de todos que desse processo fez parte, tenho certeza, por vários motivos, mas principalmente por algo que nos fez nos unir por um objetivo maior: a arte, o amor à arte, a história de São Francisco de Assis!

O Milagre de Annie Sullivan, em 1984, Introitus em 1995, com temáticas muito distintas, mas sempre colocando muito amor e muita dedicação, tiveram repercussão nacional, pois em tudo que você faz, Margha Bloes, existe muito respeito ao público e o teatro só acontece se há público, que merece ser presenteado com um bom trabalho, com um trabalho que expire amor.

Expirar amor em cada detalhe, cada fitinha, cada botão, cada pedrinha, cada figurino examinado individualmente, tudo tem que estar no seu lugar, cada gesto, cada palavra, cada movimento, cada entrada em cena, tudo sempre verificado e arrumado com muito amor, afinal o teatro é feito de detalhes e esses detalhes fazem a beleza do conjunto.
Ou se atua ou se é espectador… O ator de teatro, atuando, obviamente, não assiste à peça da qual faz parte. Parece uma coisa louca, mas dá muita vontade de ver o trabalho pronto. Como não é possível, depois de assistir pela televisão, que é muito diferente de estar ao vivo na energia do momento que o teatro se faz, posso dizer sem titubear que Simplesmente Francisco foi simplesmente maravilho, tocante, sensível e delicado! Parabéns Margha pela delicadeza do seu trabalho! Parabéns ao grupo Théspis! Parabéns a todos que fizeram parte dessa jornada longa, finalizada tão brilhantemente com a mensagem de paz, amor, união e compreensão do nosso querido “Chiquinho” Francisco de Assis!!! Obrigada Margha por me incluir nessa grande história.


Gostaria de agradecê-la Margha, em nome de todo grupo Théspis, por sempre acreditar em nós, e sempre nos dizer “nunca diga não, você consegue!” e por nos permitir fazer parte dessa história, dessa magia que foi Simplesmente Francisco!

Comente