Este mês, o AC/DC vai comemorar os 40 anos de Highway To Hell com vídeos raros e inéditos

Lançado no verão de 1979, Highway To Hell se tornou o primeiro álbum do AC/DC a alcançar o Top 20 da parada de álbuns da Billboard e a faixa título marcou sua primeira aparição na pesquisa Hot 100 da revista

Em seu sexto álbum de estúdio, o grupo australiano aumentou a temperatura e brilhou com mais intensidade do que nunca, espalhando seu rock ’n’ roll para um público mundial. Com mais de 8.5 milhões de cópias vendidas em todo o mundo, Highway To Hell marcou o início de um novo capítulo na história do AC/DC — e, ao mesmo tempo, o final amargo do anterior.

AC/DC In London
LONDON – 1st AUGUST: Australian rock band AC/DC posed in a studio in London in August 1979. Left to right: Malcolm Young, Bon Scott, Angus Young, Cliff Williams and Phil Rudd. (Photo by Fin Costello/Redferns)

Conhecido por sua abordagem musical testada e aprovada, Highway To Hell, no entanto, marcou um passo à frente para a banda. Pela primeira vez, o grupo não colaborou com os produtores de longa data Harry Vanda e George Young (irmão mais velho dos guitarristas Angus e Malcolm). Depois de algumas paradas e recomeços, incluindo uma sessão interrompida com o engenheiro de Jimi Hendrix, Eddie Kramer, a banda abordou Robert John “Mutt” Lange (que colaborou com Graham Parker & The Rumor e os Boomtown Rats).

As sessões, embora cansativas e muito mais longas do que as que a banda havia feito na época, foram produtivas: A ética de trabalho de Mutt combinou bem com o AC/DC e a banda aprendeu com suas técnicas. “Ele era meticuloso sobre o som, pegando as guitarras e a bateria certas,” disse Angus Young posteriormente à Mojo. “Ele costumava focar — e também era bom na parte vocal. Até mesmo Bon [Scott, vocalista] ficou impressionado com a forma como ele conseguia fazer soar a sua voz”.

Lançado no verão de 1979, Highway To Hell se tornou o primeiro álbum do AC/DC a alcançar o Top 20 da parada de álbuns da Billboard e a faixa título marcou sua primeira aparição na pesquisa Hot 100 da revista. Ele também se tornou o terceiro álbum Top 20 da banda em sua terra natal e seu primeiro Top 10 na Inglaterra. Em uma análise retrospectiva publicada pela Rolling Stone em 2003, o álbum foi elogiado por ajudar o grupo a se “graduar da parte de trás do bar para a frente da arena… as músicas são mais compactas e os refrões enriquecidos pelas harmonias das equipes de rúgbi.” A revista classificou Highway To Hell na posição de número 197 em sua lista dos 500 Maiores Álbuns de Todos os Tempos.

Infelizmente, o maior sucesso da banda foi seguido por seu maior contratempo: Bon Scott, líder icônico do AC/DC, morreu menos de um ano após seu lançamento. Contra todas as probabilidades e com o incentivo da família de Scott, a banda continuou; seu álbum seguinte, Back In Black, de 1980 (também produzido por Mutt Lange e com o vocalista Brian Johnson), tornou-se um dos álbuns mais vendidos de todos os tempos. Porém, foi a triunfante declaração final de Bon em Highway to Hell que estabeleceu o AC/DC como uma força de rock ’n’ roll a ser reconhecida — um fato que ainda existe até hoje.

Comente