Pinacoteca de São Paulo divulga lista de atrações para agosto

A Pinacoteca do Estado de São Paulo é um dos mais importantes museus de arte do Brasil. Ocupa um edifício construído em 1900, no Jardim da Luz, centro de São Paulo

AÇÕES EDUCATIVAS

VISITA EDUCATIVA
Arte no Brasil: uma história na Pinacoteca de São Paulo
14h30, sábados, exceto feriados
Pinacoteca de São Paulo – Edifício Pina Luz
Procure o educador na recepção do museu. Classificação indicativa: livre. Grupo de até 20 pessoas.

EDUCATECA
Todos os dias, 10h às 17h
Pinacoteca de São Paulo – Edifício Pina Luz
Conheça as exposições de longa duração de uma forma diferente! Use nossos jogos educativos. Disponível para empréstimo na recepção do museu. Classificação indicativa: livre.

JOGAJUNTO
04, 18 e 25/08, 11h às 15h
Pinacoteca de São Paulo – Edifício Pina Luz
Oferta de jogos relacionados ao acervo que propiciam a interação em família e em grupo e estimulam um olhar atento, curioso e divertido sobre as obras em exposição, no Espaço NAE, térreo, com a mediação de educador. Classificação indicativa: livre.

PINAFAMÍLIA
11/08, 11h às 15h
Pinacoteca de São Paulo – Edifício Pina Luz
Ilha de atividades e distribuição de jogo e guia de visita na recepção e 2° andar. Classificação indicativa: livre.

ESPETÁCULO PINACANÇÃO
11/08, às 15h
Pinacoteca de São Paulo – Edifício Pina Luz – Auditório, térreo
Criado por Hélio Ziskind, reúne música, teatro e artes visuais. Distribuição gratuita de senhas às 14h30. Classificação indicativa: livre.

CURSO: XII EDIÇÃO DAS JORNADAS DE HISTÓRIA DA ARTE
21 e 22/08, 9h às 18h
Pinacoteca de São Paulo – Edifício Pina Luz – Auditório, térreo
Na XII edição das Jornadas de História da Arte, os pesquisadores apresentam trabalhos que permitem refletir sobre fronteiras na arte e fronteiras na história da arte. O encontro propõe pensar nestas fronteiras do ponto de vista da geografia, dos territórios físicos, da representação e invenção da paisagem; refletir sobre a história da arte diante das fronteiras como divisões políticas, nacionais, de espaços transponíveis ou intransponíveis. Mediante inscrição no local. 132 lugares, sujeito à lotação.Classificação indicativa: livre.

EDUCAÇÃO NA RODA
30/08, 14h às 16h30
Pinacoteca de São Paulo – Edifício Pina Luz – Espaço NAE, térreo.
Roda de conversa sobre aspectos da educação museal, com o tema: Como estratégias educativas no museu podem contribuir para questionar preconceitos? O encontro acontecerá no Haverá intérprete de Libras. Mediante inscrição no local, 30 vagas. Classificação indicativa: livre.

VISITA EDUCATIVA EM LIBRAS
31/08, às 15h
Pinacoteca de São Paulo – Edifício Pina Luz
Atividade educativa em Libras (Língua Brasileira de Sinais) a partir de obras selecionadas da exposição Arte no Brasil: uma história na Pinacoteca de São Paulo. Para surdos e ouvintes, com educadora surda e intérprete de Libras. Ponto de encontro: recepção do Museu. Classificação indicativa: livre.

Pinacoteca do Estado de São Paulo
Pinacoteca do Estado de São Paulo. Foto: ReproduçãoArtes Classicas

EXPOSIÇÕES EM CARTAZ

GRADA KILOMBA: DESOBEDIÊNCIAS POÉTICAS

06 jul – 30 set 2019
Pinacoteca de São Paulo – Edifício Pina Luz – 2º andar, salas A, B, C e D

A primeira exposição individual no Brasil da artista portuguesa apresenta obras que propõem uma espécie de restituição do lugar das vozes daqueles que foram silenciados ao longo da história. Compõem o conjunto de obras os dois volumes de Illusions, nos quais ela se utiliza da tradição oral africana para recontar e encenar mitos greco-romanos; uma versão inédita da obra The Dictionary, concebida especialmente para a Pinacoteca, na qual a artista cria um espaço imerso onde cinco palavras são reveladas e descritas como os seus sinônimos e antônimos. E, por fim, a instalação Table of Goods, de 2017, que traz como eixo principal a história Transatlântica da Escravatura e do pós-colonialismo, relembrando séculos de mortes de trabalhadores negros em plantações para produzir os bens e os prazeres (the goods) das elites.

MAREPE: ESTRANHAMENTE COMUM

27 jul – 28 out 2019
Pinacoteca de São Paulo – Edifício Pina Estação – 4º andar

Em suas esculturas, Marepe (Marcos Reis Peixoto; Santo Antônio de Jesus, BA, 1970) se vale com frequência do empilhamento e acúmulo de objetos de uso cotidiano alterando sua escala e forma. Desse dado inusitado provém muito do estranhamento que seu trabalho causa no observador, que reconhece, por outro lado, certo humor na escolha dos objetos e na maneira de arranja-los como peça escultórica. Suas obras fazem referência à sua cidade natal no recôncavo Baiano e evocam poeticamente uma memória pessoal que se entrelaça com uma memória comum. A exposição na Pinacoteca será a primeira exposição institucional do artista em São Paulo e pretende oferecer uma visão abrangente de sua trajetória, por meio de um conjunto de 30 obras, iniciado na década de 1990.

SOMOS MUITOS: EXPERIMENTOS SOBRE COLETIVIDADE 

10 ago – 28 out 2019
Pinacoteca de São Paulo – Edifício Pina Estação – 1º andar

Com curadoria de Amanda Arantes, Fernanda Pitta e Jochen Volz, a mostra apresenta experiências artísticas pensadas enquanto diálogos, diretos ou indiretos, com a produção de Joseph Beuys, um dos mais importantes e ativos artistas da segunda metade do século 20. Além dele, participam outros sete artistas/coletivos nacionais e internacionais: Hélio Oiticica, Maurício Ianês, Mônica Nador e Jamac, Coletivo Legítima Defesa, Rirkrit Tiravanija, Tania Bruguera e Vivian Caccuri.

MEMORIAL DA RESISTÊNCIA DE SÃO PAULO

EXPOSIÇÃO DE LONGA DURAÇÃO

Memorial da Resistência – Térreo

A exposição de longa duração está abrigada em parte do antigo espaço carcerário e seu roteiro expositivo está organizado em cinco módulos: Módulo Introdutório: Lugares de Memória. Resistência e repressão*. Módulo A: O edifício e suas memórias. Módulo B: Controle, repressão e resistência: o tempo político e a memória. Módulo C: A construção da memória: o cotidiano nas celas do Deops/SP. Módulo D: Da carceragem ao Centro de Referência. O Módulo Introdutório é uma leitura do programa de pesquisa Lugares da Memória, desenvolvido desde 2010 pelo Memorial da Resistência. A exposição apresenta, por meio de vídeo, textos e imagens, 183 lugares de memória ligados à repressão e à resistência no Estado de São Paulo e na capital. Também exibe um mapa criado pela Comissão Nacional da Verdade que aponta locais ligados a graves violações de direitos humanos durante a ditadura militar, em todo o território nacional. Por fim, o visitante pode deixar sua contribuição em um painel com a seguinte questão: E hoje? Que lugares de resistência e repressão fazem parte da sua memória?

CANTO GERAL: A LUTA PELOS DIREITOS HUMANOS

9 dez 2017 – 31 dez 2019
Memorial da Resistência – 3º andar

Há quase 70 anos da publicação da Declaração Universal dos Direitos Humanos, a exposição Direitos Humanos – avanços e retrocessos tem como objetivo refletir sobre a situação atual a partir de um conjunto de 31 litografias da Pinacoteca de São Paulo (realizadas em 1991 e doadas pelo Fundo Social de Solidariedade do Estado de São Paulo em 1993), sendo cada uma dedicada a um artigo da Declaração. Dentre os artistas estão Paulo Caruso, Marcello Nitsche, Renina Katz, Amelia Toledo, Claudio Tozzi e outros nomes expressivos da arte brasileira. A exposição apresenta ainda uma linha do tempo que pontua avanços e retrocessos em nível mundial e nacional no que diz respeito aos direitos humanos, bem como um vídeo sobre o assunto.

Comente