Respiração profunda pode ser útil para reduzir consumo de cigarros

Artigo é publicado na revista Arquivos Médicos da FCM/Santa Casa

A intervenção de respiração profunda pode ser útil para redução do consumo de cigarros e aumento da motivação para parar de fumar em uma população não motivada. Essa é a conclusão de estudo publicado na revista Arquivos Médicos dos Hospitais e da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. A pesquisa também mostrou que a biblioterapia pode ser útil para redução do consumo de cigarros e que a combinação das duas intervenções não foi superior às intervenções isoladas.

O objetivo do estudo foi demonstrar que a respiração profunda pode ser uma ferramenta eficaz para diminuir a quantidade de cigarros consumidos, sintomas de ansiedade e sintomas de depressão e aumentar a motivação para parar de fumar, e que a biblioterapia potencializa estes efeitos.

O estudo foi composto por quatro grupos, cada um contendo 28 indivíduos. O grupo Respiração profunda (RP) foi treinado quanto à técnica de respiração profunda. O grupo Biblioterapia (B) realizou a leitura de um livro, “Aqui se fuma! Aqui se para!” e o grupo RD+P (Respiração profunda + leitura do livro) realizou a leitura do livro citado anteriormente e foi treinado quanto à técnica de respiração profunda. Houve ainda um grupo de Controle (C), que não sofreu intervenção.

Diante das intervenções propostas, houve diminuição significativa no número de cigarros consumidos nos grupos de respiração profunda (RP), biblioterapia (B) e no grupo onde há adição das duas técnicas (RP+B). Em relação a motivação para parar de fumar, houve aumento nos grupos RP e RP+B. Houve diminuição significativa dos sintomas depressivos em todos os grupos. Os Sintomas de ansiedade diminuíram de forma significativa nos grupos B, RP e C.

O artigo, intitulado “Uso da psicoeducação e da respiração profunda para tratamento do tabagismo”, de autoria de Igor Bastos Polonio, Ricardo Abrantes do Amaral, Iris Galdino Ueda e  Julliana Belico Esteves de Carvalho, pode ser acessada em https://doi.org/10.26432/1809-3019.2018.63.3.168

Comente